top of page

Morrigu ... a mulher Corvo


Morrigu é a Terra ... e o sangue dos homens que corre nela,

aquela que anuncia a morte … ela é os gritos e choros no meio da noite, que nos avisa da perda que sofreremos.


De seu seio jorra o leite materno que nutre a vida, então Morrigu não é só morte ... também é vida.


Morte, vida e renascimento. O ciclo inevitável do ser.


Morrigu era conhecida como Moirah. Conta a lenda irlandesa que ela se apaixonou pelo jovem Dagda e eles se casaram na fogueira de Samhain, o ano novo Celta que marca o término do verão e a entrada do inverno, as margens do rio Boyne.

Ao engravidar Morrigu foi vítima de um feitiço, pois vivia nos domínios dos Fomorianos, uma tribo inimiga da sua. Deu à luz ao filho que nasceu com três cabeças e deformado.


Os druidas sacrificaram seu filho, pois acreditavam ser má sorte ter um rei deformado.

Moirah escondeu-se na floresta e lá permaneceu escondida durante muito tempo.

Ao voltar para sua tribo, vestia uma longa capa de penas de Corvo, duas espadas nas mãos e havia recebido a habilidade de mudar de forma. Transformou-se numa grande guerreira e nenhum homem ousava opor-se a ela. Moirah agora era a Deusa Morrigu, a mulher corvo.


A lenda demonstra seu poder de transformação e seu aspecto de deusa tríplice, donzela mãe e anciã.


Como donzela canta a morte dos bravos guerreiros e leva a alma destes ao caldeirão do renascimento.

Ela é a égua parideira, sua face mãe. E como anciã, trás o poder devastador da Fúria, seu aspecto mais temido.


Protetora dos guerreiros, a chamam de Lavadeira do Val. Pode ser a fiel amiga ou a mais terrível inimiga. É a representação da terra porque trás a vida e a morte em si mesma.


Por ser temida e incompreendida é considerada uma Deusa Negra. Mãe do destino, da morte, do renascimento e da guerra, seu culto é feito nas sombras e em períodos de lua Nova.


“É o corvo que não causa a morte de ninguém, mas come e transforma o corpo.”


Não só nos avisa da morte iminente, também traz conforto aos mortos e aos sobreviventes.


Representa as mudanças que ocorre no decorrer da vida e nos ajuda a aceitá-las, seja a perda de um emprego, a morte de um familiar, a perda em um acidente ou a perda de um amor.


Se você encontrar um corvo, saiba que Morrigu está por perto e haverá mudanças em sua vida, sendo necessário buscar força.


São atributos da Deusa o triângulo invertido que representa o elemento terra, o corvo é seu animal de poder. Duas espadas, a lança e o escudo representam seu lado guerreira; o crânio representa a morte que ela anuncia.

Deusa tríplice, é o nascimento, a vida e a morte ... mãe, donzela e anciã.



Seu dia é a terça-feira.

Suas cores: vermelho, preto, roxo, laranja e branco.

Perfume: sangue de dragão.

Carta do tarô: a Morte, que transforma e anuncia a chegada do “novo”.


Conexão com a deusa: acenda uma vela, escolhendo uma das cores.

Pegue uma pena de corvo, passe pela chama da vela sem queimá-la e peça a Deusa Morrigu, proteção e mudanças que sejam necessárias para sua vida no momento.

Depois passe a pena por todo seu corpo e despache aos pés de uma árvore.


Invoque a deusa para: vitória, vingança, morte, destino, transformação, justiça, proteção, fertilidade, Guerra, transições, exorcismo, poder, força, coragem, Guerra, e vencer inimigos.


Fonte: Deus do Mundo - Claudiney Pietro

Edição by Lilith Vênus



Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page